Posts Tagged ‘músicas

10
dez
07

Rage Against the Machine – O som do protesto


Surgida em 1991, a banda Rage Against The Machine foi composta até 2000 por Zack de La Rocha (vocal), Tom Morelio (guitarra), Tim Bob (baixo) e Brad Wilk (bateria). Todos colegas de escola secundaria de Los Angeles, nos Estados Unidos.
A banda faz uma mistura de som pesado (punk, rock, metal, rap, dentre outros) e letras politizadas que denunciam a repressão e o sistema, rendendo-lhes já no seu primeiro álbum (Rage Against The Machine, 1992) a proibição de fazer shows em alguns estados americanos, dado o conteúdo anti-EUA. A crescente censura gerou em 1993, o show no Lollapalooza III, no qual todos os integrantes da banda permaneceram nus no palco durante mais de dez minutos, no mais absoluto silêncio. Todos com a boca amordaçada por fitas pretas e cada qual com uma letra no corpo compondo a sigla da facista Parents Music Resource Center.
Até o lançamento de Evil Empire (1996), seu segundo disco, o Rage promoveu inúmeros shows que viriam a compor uma das características mais marcante do grupo: o apoio a causas, movimentos, grupos e militantes. Em 1994, percorreram a Califórnia com o show For the Freedom of Leonard Peltier, cuja renda foi doada para o Comitê de Defesa de Leonard Peltier, índio americano acusado de assassinar dois agentes do FBI que invadiram sua reserva indígena, oficialmente atrás de um jovem acusado de roubar botinas usadas. O mesmo show também teve a renda dividida entre a United Workers e a Para Los Ninõs.
Em 1996, causaram polêmica ao cantar duas músicas no programa de TV Saturday Night Live. A segunda música não foi ao ar, pois apresentava uma bandeira americana de cabeça para baixo em protesto contra a presença de outro convidado, o mega-empresário e candidato a presidente Steve Forbes.
Ainda em 1996, lançaram o álbum Live and Rare, com regravações de sucesso do primeiro e do segundo disco em versões ao vivo, com a inclusão da inédita Zapata’s Blood, sobre o Movimento Zapatista do México.
Já em 1997 fizeram turnê com o grupo irlandês U2, doando os lucros dos shows à causa de Mumia Abu-Jamal (jornalista e ativista americano negro, condenado à morte por matar um policial que espancava o seu irmão, sem que fosse levado em consideração varias testemunhas de defesa), a da FAIR (ONG que defende minorias), a dos Zapatistas e da Women Alive (entidade que cuida de mulheres portadoras do vírus HIV).
No mesmo ano o guitarrista Tom Morelio foi preso com mais de 30 pessoas em protesto contra a Guess (famosa grife de roupas), na campanha desenvolvida contra as sweatshops, empresas que usam trabalho precarizado. Nas palavras do próprio:

Nós somos contra eles, por que eles tiram proveito dos trabalhadores em Calcutta, e nos EUA (Los Angeles, New York City, e Bay Area). Eles têm condições de trabalho escravas. E eles estão contando com que as pessoas que leiam isso não se importem. Eles acham que a moda é mais importante e mais nada importa, e então aquela exploração brutal daqueles trabalhadores não os importa. Nós estamos dizendo que eles estão errados.

Em 1999 gravaram seu terceiro álbum com músicas inéditas, o The Battle of Los Angeles. Cuja canção Guerrila Radio protesta contra a situação de Mumia Abu-Jamal. Foi realizado um show em beneficio dele e um protesto em Genebra, na Suíça, junto às Nações Unidas contra a pena de morte nos Estados Unidos. No mesmo ano cantaram no Tibetan Freedom Concert, pela independência do Tibete ainda sob invasão chinesa. Na reedição do Woodstock em 1999 queimaram a bandeira dos Estados Unidos.
Em 2000 lançaram um álbum só com covers de rappers como MC5, bandas como Rollings Stones, e cantores como Bob Dylan. Todas as suas músicas foram censuradas e proibidas de tocar nas rádios americana após os eventos de 11 de setembro. Este ano, o Rage Against The Machine está de volta com turnê mundial.

O clipe acima, Wake Up, foi feito pelo pessoal do blog Soma Kaos.

Anúncios
08
dez
07

We will rock you – o Rock’n Roll segundo Hitler, Mao e Stalin

Adolf Hitler - Os negros são o futuro da músicaMao Tsé-Tung - O rock pesado é a verdadeira Revolução CulturalJosef Stalin - Eu abençoo a América pelo Rock’n Roll

Em uma atitude bem rock, os mais novos garotos propaganda de uma rádio russa deixaram de lado suas ideias bizarras e decidiram curtir boa música.

  • Adolf Hitler em sua fase Jackson Five – Os negros são o futuro da música
  • Mao Tsé-Tung num show do Kiss, prestes a estirar a lingua – O rock pesado é a verdadeira Revolução Cultural
  • Josef Stalin lembrando que Elvis não morreu – Eu abençoo a América pelo Rock’n Roll
27
set
07

PEIDEI mas não fui eu, por Lobão

Em oposição ao falido CANSEI, organizado pela direita brasileira, o cantor-compositor-agitador Lobão lançou o movimento PEIDEI. Depois de ser visto inúmeras vezes com a camiseta com os dizeres “PEIDEI mas não fui eu“, Lobão lançou sua campanha na última quarta-feira (também conhecido como ontem) durante uma entrevista no programa do Jô Soares. Mesmo sem assistir ao programa, adianto que a entrevista foi muito boa. Polêmico e desbocado, Lobão continua com a mesma atitude rock n’roll que faz com que muitos acreditem que ele devia mesmo é lançar um CD só com entrevistas.
A camiseta já causou polêmica no Senado Federal, quando um diretor da TV Senado pediu para Lobão trocar de camisa antes de um debate que seria trasmitido ao vivo, sob a alegação de que aquelas palavras não cairiam bem em uma transmissão em cadeia nacional. Sua resposta foi “só se vocês trocarem o presidente do Senado“.
No programa do Jô, Lobão deixou claro suas intenções em criar um movimento nacional, quem sabe um partido, pela moralização e pela ética na política brasileira. Denunciando que muita gente em Brasília esta com a mão amarela dentre estes o presidente Lula.
A campanha é uma dura crítica a esquerda brasileira que perdeu a autonomia crítica diante do governo petista, fazendo vista grossa aos desmandos do governo Lula e pensando que o mundo se dividiu entre “golpistas” e “adesistas“.
A trilha sonora da campanha é uma paródia da música “Que será que será” de Chico Buarque, lulista de carteirinha, cuja unanimidade na esquerda é maior que a de Che Guevara.

QUEM SERÁ QUE PEIDA

Ó, quem será que peidar
que tire o cu da reta e não demore
com a mão amarela, se inocente
que sem prova concreta não dá pra pegar
e todos os trambiques irão te salvar
com todos os auxílios da presidência
e todo benefício da leniência
de todos os decretos que te aliviam
pois quem não tem vergonha quando chafurda
não entende o desespero de coisa alguma
pois quem não tem decoro, nem nunca terá
porque não dá castigo.

Ó quem será que peidar
que apague a luz dos aeroportos
pra debaixo do tapete todos os mortos
e vem gente me pedindo: relaxa e goza
colhendo os impostos para a mesada
na eterna incompetência do governante
impondo com orgulho a falcatrua
a dança do larápio que ganha a rua
enquanto que a gente a se perguntar
aonde é que a gente então vai parar
e se não tem remédio, pra que implorar
a quem não dá ouvido

Ó quem será que peidar
desfaça o flagrante dos mensaleiros
e faça um desagravo pros brasileiros
é só um feriado que a gente esquece
se benza duas vezes com a mão na massa
com a cara de enlevo ninguém vai notar
triplique o dinheiro pra olimpíada
com a cara de tacho que te consagra
no próximo vexame ninguém vai lembrar
não há merecimento nem nunca haverá
por que ninguém exige nem exigirá
tua cabeça a prêmio.

11
set
07

Manu Chao lança La Radiolina no Brasil

O mais globalizado dos cantores estará lançando La Radiolina, seu novo álbum, no Brasil. O disco mantém o mesmo caráter ativista que vem marcando a carreira do cantor desde os tempos do Mano Negra.
Mesmo sem turnê prevista para o país, sua presença está confirmada para dia 28 de Outubro no I Encontro Nacional de Rappers e Repentistas que ocorrerá em Campina Grande/Pb, momento em que vai dividir o palco com os Racionais MCs.
Segue abaixo Rainin in paradize, um dos hits do seu novo disco. A música esta sendo distribuída gratuitamente no site do próprio Manu Chao.

09
set
07

A história se repete como farsa – Propellerheads e Shirley Bassey

History Repeating é daquelas músicas cuja a letra já basta. No entanto, o grupo inglês Propellerheads não se contentou com isso e compôs uma mistura fantástica de música eletrônica e jazz. Destaque para a belíssima interpretação de Shirley Bassey.

History Repeating

The word is about, there´s something evolving,
whatever may come, the world keeps revolving…
They say the next big thing is here,
that the revolution´s near,
But to me it seems quite clear
thats it´s all just a little bit of history repeating.

The newspapers shout a new style is growing,
but it don´t know if it´s coming or going,
there is fashion, there is fad
some is good, some is bad
and the joke rather sad,
that it´s all just a little bit of History repeating.

… and I´ve seen it before
… and I´l see it again
… yes I´ve seen it before
… just little bits of history repeating

Some people don´t dance, if they don´t know who´s singing,
why ask your head, it´s your hips that are swinging
Life´s for us to enjoy
woman, man, girl and boy,
feel the pain, feel the joy
aside set the little bits of history repeating

… just little bits of history repeating
… and I´ve seen it before
… and I´l see it again
… yes I´ve seen it before
… just little bits of history repeating




RSS Midia Independente

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Estatística

  • 23,738 acessos